Home » Projeto utiliza hip hop transformar a vida de egressos no Rio Grande do Sul

Projeto utiliza hip hop transformar a vida de egressos no Rio Grande do Sul

by media4music
Projeto utiliza hip hop para transformar a vida de egressos no Rio Grande do Sul

O projeto MC’s para a Paz foi original ao  utilizar o hip hop para atrair homens em situações prisionais no Rio Grande do Sul e dar a eles oportunidades de se reintegrar à sociedade a partir de sessões de psicoterapia em grupo e aulas de educação do cidadão.

Essa proposta foi dada pela psicóloga Fernanda Bassani, que trabalha em presídios há cerca de 20 anos.

A proposta  surgiu em 2007, quando a psicóloga foi trabalhar na Penitenciária Estadual de Jacuí, a maior  penitenciária do Rio Grande do Sul, que fica em Charqueadas, a uma hora da capital Porto Alegre.

Desde o início, a psicóloga percebeu que os projetos educacionais não contavam  com a participação  dos presos, que ficavam reféns das facções e do estereótipo de criminosos mesmo quando saíam da prisão.

Batizado inicialmente de “Multiplicadores de Cidadania Para a Paz”, o MC’s para a Paz surgiu  a ajuda colaborativa  dos internos, que podiam identificar  e sugerir os colegas com potencial para a arte.

Assim , de acordo com a psicóloga Fernanda Bassani, todos eles  poderiam se sentir parte do projeto de alguma maneira.

Vai muito além das sessões de psicoterapia em grupo, eles também passaram a ter  aulas sobre temas interessantes e relevantes para suas vidas como consciência de raça, paternidade responsável, prevenir o uso das drogas, cultura da periferia, violência e redes de apoio, e inclusão social.

No final, eles poderiam produzir músicas de hip hop levando em consideração os temas abordados.

A psicóloga Fernanda foi transferida para a Polícia Civil em 2015, e por conta disso o MC’s para a Paz teve que parar por um tempo.

Porém agora, a ONG Cidade Segura quer dar início a uma nova versão do projeto: o projeto Sagaz.

No ano que vem, o órgão  pretende fazer o projeto com jovens que cumprem medidas socioeducativas e prisionais em vários municípios do Rio Grande do Sul.

You may also like

Leave a Comment